Max B.O.

Aos 40 anos de idade e 20 de carreira profissional, Max B.O. lança “O.M.M.M.”, álbum que sairá em CD, vinil e nas plataformas digitais. Esse é o primeiro trabalho de inéditas depois de inúmeras parcerias e das mixtapes “FumaSom Vol. 1” (2013), “Antes que o Mundo se Acabe “ (2012) e o álbum “Ensaio, O Disco” (2010).

Para o novo projeto, o artista faz ode à camaradagem e reúne uma série de participações especiais, beatmakers e músicos. Curumin, Rael, Lúcio Maia, Zé Nigro, Donatinho, Dada Yute, Robinho Tavares, WC e Salazar são alguns dos nomes envolvidos. “Juntei pessoas que acredito, gosto e admiro. Alguns conheço há pouco tempo, outros são parceiros de longa data... Só gente de talento ímpar, lendas vivas. O resultado é um disco que dá ao rap brasileiro a oportunidade de ouvir músicos tocando de verdade em uma gravação. Sem influências, nem referências externas, criamos uma obra orgânica, verdadeira e completa”, explica.

Produzido e dirigido musicalmente por Iky Castilho, “O.M.M.M.” – abreviação para “O MUNDO É UM MOINHO” – fala sobre a vida, o jogo, a gira e suas diversas formas de lidar com ela.

A capa, criada pelo artista Rodrigo Mitsuru, é uma arte com forte influência do trabalho de Robert Crumb, que Max B.O. lê desde a adolescência. O desenho é inspirado na rua onde o MC cresceu e seus pais ainda moram, na zona norte de São Paulo. Os logos do trabalho, assim como o desenho na bolacha do rótulo, são da artista Helena Cirnila e a fonte das músicas são do artista Carlos Moreira. As fotos de divulgação são da Casa Florália, em parceria com a Purple Produções, e a concepção da estética visual da capa é da Casa Florália. “Vale dizer que esse trabalho é marcado pelo poder da escrita, com ênfase no uso do lápis, seja pra escrever ou desenhar, é o que norteia o projeto”, ressalta.

Scroll to top